way2themes

A ÚLTIMA

Fausto Neto, em conversa, ontem (16 de novembro), com o Procurador da Câmara, Thiago Vieira, traz para os internautas as informações sobre a biometria e o esforço conjunto da Casa e Justiça Eleitoral para recadastrar eleitores.


Arinaldo Rodrigues entrevista Cícero Gás, que apresenta as dificuldades vistas nas viagens que realiza em seu trabalho.

16/11/2017
Mundo
Bombardeios contra reduto opositor deixa 8 mortos na Síria
Pelo menos oito pessoas morreram e outras 94 ficaram feridas nas últimas 24 horas pelo impacto de projéteis de artilharia, mísseis e foguetes contra várias localidades da região de Ghouta Oriental, o principal reduto da oposição nos arredores de Damasco, a capital da Síria.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) informou nesta quarta-feira que pelo menos 96 projéteis foram lançados contra as populações de Duma, Saqba, Arbin, Misraba, Kafr Batna, Haza, e contra os arredores de Modira, Hamuriya e das fazendas de Al Ashaari, em Ghouta Oriental.

Os bombardeios coincidem com combates violentos, que se prolongam desde o meio-dia de ontem até o dia de hoje entre os efetivos governamentais sírios e um grupo armado islâmico, nos quais morreram ontem 17 militares do regime.

Ghouta Oriental está dominada por facções armadas opositoras e submetida a um ferrenho assédio que impede a entrada de alimentos e de ajuda humanitária, o que provocou várias mortes por fome e desnutrição.

A região, onde segundo a ONU residem 390 mil pessoas, está sob cerco das forças de Bashar al Assad desde 10 de outubro de 2013, que aumentou nos últimos cinco meses.

EFE


Brasil
Brasileiro Residente Na Polônia Desmascara Mentira De Guga Chacra
Os poloneses realizaram no último sábado as celebrações de Dia Nacional da Independência do país. Dezenas de milhares de pessoas realizaram uma manifestação em Varsóvia expressando o repúdio que a quase totalidade da população polonesa tem em relação ao nazismo e o comunismo. No século passado os poloneses sofreram na pele tanto o horror do comunismo quanto o horror de seu rebento bastardo, o nazismo.

Por conta dessa tragédia histórica, a Polônia é hoje, ao lado da Hungria, o país que mais opõe-se às políticas anti-nacionais e pró-islâmicas da esquerda globalista europeia que, a rigor, é a herdeira do mesmo movimento revolucionário que estava na origem do comunismo e nazismo. Poloneses são essencialmente anti-comunistas, anti-nazistas, cristãos e patriotas defensores de seu país. Ou seja, eles são tudo o que a esquerda globalista internacional, que domina toda a grande imprensa ocidental, abomina e despreza.

Esse desprezo dos globalistas pelos povos que, assim como os poloneses, lutam para manter sua soberania e sua independência e para preservar sua identidade e sua cultura, ficou expresso na narrativa mentirosa que toda a grande imprensa internacional fez a respeito das manifestações pelo Dia da Independência da Polônia. A imprensa inteira descreveu a manifestação como sendo um ato nazista de uma suposta extrema-direita xenófoba.

Acusar de nazista um povo que sofreu os horrores do nazismo, que viu seu território ser invadido pelos nazistas que nele instalaram campos de concentração, é de um cinismo sem medida. A grande imprensa brasileira, que não passa de uma vira-lata repetidora dos latidos da grande imprensa internacional, reproduziu a mesma narrativa mentirosa: o jornalista Guga Chacra da Globo News usou sua conta no twitter para acusar dezenas de milhares de poloneses que participaram da manifestação de serem nazistas.

A acusação leviana e mentirosa e sem escrúpulos que o jornalista fez em sua conta do twitter baseou-se em uma matéria igualmente leviana e mentirosa do jornal inglês esquerdista The Guardian, o que confirma nossa afirmação anterior de que o jornalismo brasileiro não passa de uma cadela vira-lata repetidora dos latidos da imprensa globalista internacional. A mentira de Guga Chacra teve implicações diplomáticas. A Cônsul da Polônia em São Paulo, Katarzyna Braiter, contestou com veemência as afirmações de Guga Chacra e este limitou-se a bloqueá-la em sua conta no twitter.

A mentira cínica de Guga Chacra repercutiu na Polônia, entre os brasileiros que vivem naquele país. Um desses brasileiros fez um vídeo curto desmascarando o jornalista da Globo Fake News, chamando- de moleque e covarde. No vídeo, o brasileiro desafia o jornalista mentiroso e covarde a ir até a Polônia e dizer na cara dos poloneses que eles são nazistas. O vídeo pode ser visto abaixo. 
Por Paulo Eneas

#CriticaNacional #TrueNews


Pernambuco
Fogo Cruzado

Mais de uma centena de prefeitos pernambucanos reuniram-se anteontem na sede da Amupe para uma “sessão de desabafos” sobre a situação em que se encontram seus municípios. A maioria deles não tem receita própria. Sobrevive tão somente com os recursos do FPM (governo federal) e do ICMS (governo estadual). Poderiam cobrar os impostos de sua competência (ISS, IPTU e ITBI), mas muitos não fazem isto com receio de perder votos. Eles dizem (e é verdade) que os municípios foram obrigados a assumir programas que eram de responsabilidade do governo federal, mas o dinheiro que vem é insuficiente para bancar suas despesas. Um exemplo disto é o PSF (Programa de Saúde na Família). O município recebe cerca de R$ 11 mil por cada equipe, quando este dinheiro só é suficiente para pagar o salário de um médico. Alegam também que houve queda no FPM no curso deste ano, apesar de a Secretaria do Tesouro Nacional garantir o contrário. Ou seja, que houve aumento real nesses repasses. Que a crise afetou os municípios de modo geral, é absolutamente verdadeiro. Mas também não é menos verdade que faltou planejamento para conviver com ela. Pede-se agora R$ 4 bilhões ao governo federal para tirar os municípios do sufoco. Mas quem conhece o ministro Meireles sabe que este pleito não será atendido.

Por Inaldo Sampaio



São Lourenço da Mata
Notícias da prefeitura

Prefeitura firma parceria com o Grande Recife Consórcio de Transportes

Com o intuito de melhorar a mobilidade urbana em São Lourenço da Mata, o prefeito em exercício Dr. Gabriel Neto, firmou, na tarde desta terça-feira (14), uma parceria com o Grande Recife Consórcio de Transportes, representado pelo diretor de Planejamento, Alfredo Bandeira. A parceria consiste em mapear, por meio de uma pesquisa, questões como, transporte público, tráfego de veículos, pontos de embarque e desembarque, horário de saída e chegada, entre outros assuntos.

O encontro, além de firmar parceria para analisar os pontos críticos da cidade, também serviu para apresentar os detalhes sobre o Plano de Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Recife “MobilidadeRECIFE”. A importância de realizar a pesquisa foi comentada pelo chefe do Executivo. “Esta parceria chega em boa hora. Sabemos que se trata de uma situação delicada, mas, não mediremos esforços para dar uma qualidade de deslocamento melhor aos nossos munícipes”, disse Dr. Gabriel.

De acordo com o diretor Alfredo Bandeira, o encontro foi de suma importância para que a cidade possa contribuir com as pesquisas de formação do Plano de Mobilidade. “Iremos conhecer o perfil dos usuários para poder prover melhorias no transporte dos passageiros, além de verificar as condições socioeconômicas e urbanísticas”, disse o diretor.

O plano possibilita incluir a definição de linhas de ônibus, expansão do sistema de metrô, o funcionamento do sistema complementar e a identificação dos principais corredores caminháveis da cidade. A pesquisa está sendo realizada por meio de um formulário no site pesquisaodmetropolitana.recife.pe.gov.br, até março do ano de 2018.



Contatos na rede
Terça Livre



Rodrigo Jungmann


Sugestão de vídeo


Sugestão de música
A pressa do golpe de 15 de novembro visava impedir a coroação da Princesa Isabel

Isabel, a poderosa princesa.
A proclamação da República foi um golpe de estado preventivo para impedir que a princesa Isabel e seus abolicionistas, com grande apoio popular, principalmente da população de cor (pretos e mulatos – os trabalhadores brancos, europeus, ainda não participavam da vida politica), assumissem o comando político do país e implantassem seu projeto de inclusão dos antigos escravos na economia da região Sudeste. Esta é uma versão pouco divulgada para a urgência de derrubar Dom Pedro II.
A campanha abolicionista, iniciada em 1870, liderada e organizada pela princesa Isabel, integrada por um grupo de intelectuais, a maior parte mulatos, era uma ameaça ao sistema dos barões do café, como se chamavam os grandes produtores de São Paulo, Minas e Rio de Janeiro.
Embora fossem cognominados de barões, a maior parte desses mega-produtores integrava o Partido Republicano e se preparavam para derrubar o império quando chegasse o final do reinado do Imperador (a morte do rei). Entretanto, fatos inesperados obrigaram-nos a pedir o apoio dos militares, que acabaram deflagrando o golpe de estado antes que a princesa, e seu grupo, chegassem ao trono.
“Proclamação da República”, 1893, óleo sobre tela de Benedito Calixto (1853-1927). Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo
O dia 15 de novembro já foi a data cívica mais importante do País, ao longo do de três quartas partes do Século XX. Hoje em dia, abalada pela ideologia de desqualificação da História do Brasil, a proclamação da República é uma narrativa que está sendo reduzida para a mediocridade de uma simplória quartelada militar, um golpe de estado que usurpou o poder.
 E aí vem a pergunta: usurpou de quem? É embaraçoso, pois nada mais politicamente incorreto do que defender a monarquia. Então qual o problema? O que fatos tão graves aconteceram naqueles dias de novembro de 1889, que acabaram com 74 anos de um regime que vinha desde o início do Século XIX, começando no Brasil Reino em dezembro de 1815?  E continuou no Império do Brasil a partir de 1822?
Esse sistema teve uma rainha (D. Maria I, de 1815 a 1816) e três reis, D. João VI (1816/22), D. Pedro I (1822 a 1831 e D. Pedro II (1831 a 1889, sete anos como infante. Regime muito estável aquele, nove anos com um imperador menino e nunca foi derrubado)). Entretanto, lá na frente caiu como um castelo de cartas? O que houve?
Dom Pedro II
O que precipitou o golpe militar? Eis a questão. Então vamos ao fato que precipitou esse e outros acontecimentos que terminaram por provocar o golpe de estado que derrubou a monarquia constitucional.
Em setembro de 1889, dois meses antes do golpe, portanto, o imperador Pedro II informou a amigos que no dia de seu aniversário, 2 de dezembro, abdicaria ao trono e passaria a coroa para sua filha Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga, a popular Princesa Isabel.
Quando o murmúrio da ascensão da princesa chegou aos detentores do poder econômico, acenderam-se todas as luzes vermelhas, algo como a reação dos ministros militares quando Jânio Quadros renunciou, 70 anos depois, e o sistema se viu diante do retorno da ala esquerda do varguismo com João Goulart, em 1961. Aos olhos dos plutocratas do sudeste, a princesa Isabel era uma ameaça (que nem Jango muito depois) a seus planos de controlar o país pelo sistema republicano. No final conseguiram implantar a República do Café com Leite, que durou quase 40 anos.
Embora a coroa não comandasse o executivo, o soberano era muito influente. No caso da princesa, seria um perigo, pois levaria com ela figuras consideradas perigosíssimas por suas ideias de inclusão dos ex-escravos, como Joaquim Nabuco, André Rebouças, Aristides Lobo, Francisco Paula Brito, José do Patrocínio, Francisco José do Nascimento (o famoso Dragão do Mar) e Rui Barbosa (que aderiu à república) e muitos outros que permaneceram fiéis à Isabel (não à monarquia, como se propala).
Princesa Isabel e a Lei Áurea
Os abolicionistas tinham pronto um projeto de absorção dos ex-escravos que preconizava a distribuição de terras para os cativos lotados na agricultura e um esquema de apoio para a autonomia dos escravos de ganho. A Caixa Econômica (hoje Federal) foi um banco criado, em 1860, para receber depósitos de escravos. Seria o banco para financiar a abolição.
Já os partidos republicanos não tinham, em seus programas, uma posição completa sobre a escravidão. Já os abolicionistas históricos seguidores da princesa preconizavam uma espécie de reforma agrária (não tinha este nome ainda). O tema era explosivo.
A Lei Áurea era incompleta. O projeto original dos abolicionistas era muito mais amplo. Quando o Congresso aprovou a lei, abolindo a escravidão, o grupo da princesa Isabel percebeu que era uma armadilha, e começaram uma mobilização. Um dos grupos mais ativos era a Guarda Negra, composta por ex-escravos que faziam manifestações nas ruas do Rio de Janeiro em apoio a Isabel e seus seguidores.
Era aos movimentos negros que os plutocratas temiam. Ante a iminência de a Princesa Isabel assumir o trono e desenvolver uma liderança populista com grande legitimidade assustou os republicanos, que, então apelaram para os jacobinos, como eram chamados os jovens republicanos radicais, originários das faculdades de São Paulo, Rio de Janeiro e das escolas militares das armas de Artilharia e Engenharia.
Marechal Deodoro da Fonseca
O Marechal Deodoro, originário do Partido Liberal, com programa republicano moderado, mas amigo e admirador de Pedro II, deu respaldo a que os positivistas de Benjamin Constant, um tenente-coronel, derrubassem o governo e o poder imperial. O primeiro presidente e seu vice saíram do Exército (Floriano Peixoto era da Artilharia), mas já em 1894, com Prudente de Morais, os plutocratas do café ocuparam a presidência, dividindo os sucessivos governos entre Minas Gerais e São Paulo.
E a princesa e seus apoiadores pretos e mulatos foram exilados em Paris e Lisboa.
Por: José Antônio Severo, novembro 15, 2017

Do: https://osdivergentes.com.br/outras-palavras/pressa-do-golpe-de-15-de-novembro-visava-impedir-coroacao-da-princesa-isabel/





Da Gobar Filmes
15/11/2017
Mundo
Mugabe se prepara para renunciar e busca saída para sua esposa, diz emissora

O presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, está preparando sua renúncia enquanto negocia para que sua mulher, Grace, saia do país, perante a intervenção militar que alimenta os rumores sobre um possível golpe de Estado, informou nesta quarta-feira a emissora de televisão sul-africana "News24".

Segundo o canal, que antecipa que amanhã à tarde será feito um anúncio a respeito, o exército mantém a família presidencial e toda sua guarda sob sua custódia.

Os rumores sobre o paradeiro de Mugabe e o seu futuro dispararam nas últimas horas, depois que ontem à tarde vários tanques foram vistos se dirigindo à capital do país, Harare.

Este movimento das forças armadas aconteceu apenas um dia depois que o chefe das Forças Armadas, Constantine Chiwenga, advertisse que "medidas corretivas" seriam tomadas se prosseguisse o expurgo de veteranos no partido de Mugabe, de 93 anos e no poder desde 1980.

Por enquanto, alguns meios de comunicação afirmam que Mugabe e sua família se encontram sob prisão domiciliar, enquanto outras informações indicam que teria fugido do país.

Estas especulações contrastam com o silêncio do principal jornal do regime, que se limitou a destacar que o comunicado lido por um porta-voz militar ontem à noite na televisão pública - controlada agora pelo exército - descarta uma "tomada militar" do governo e assegura que Mugabe se encontra "a salvo".

Enquanto isso, o jornal independente "NewsDay" informou hoje da detenção de três ministros que estariam por trás da facção do partido governante que defende a expulsão de veteranos da guerra de independência para abrir caminho a uma eventual substituição no poder a favor da primeira-dama, Grace Mugabe.

Além disso, o presidente da juventude do partido de Mugabe, a União Nacional Africana de Zimbabué-Frente Patriótica (ZANU-PF) e o número dois dos serviços de inteligência também foram detidos, enquanto outras informações asseguram que o diretor da polícia também poderia ter sido preso pelos militares.

No centro da tensão se encontra a destituição na semana passada do vice-presidente Emmerson Mnangagwa, que também se postulava como sucessor de Mugabe, e que fugiu à África do Sul, de onde emitiu um comunicado no qual sustentava que "em breve controlaremos as molas do poder nos nossos belos partido e país".

EFE

Brasil
Brasil anuncia redução de 28% do desmatamento da Amazônia entre 2016 e 2017
O Brasil anunciou nesta terça-feira na Cúpula do Clima de Bonn (COP23) que o desmatamento nas Áreas Amazônicas Protegidas (Arpa) em julho foi 28% menor que em agosto de 2016, seu segundo menor nível desde 1997.

O Governo brasileiro informou estes números, baseados em dados do Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes), durante o encontro global que estuda como pôr em prática o Acordo de Paris de 2015 para atalhar o aquecimento global.

Desde que o Plano de Ação para a Prevenção e Combate do Desmatamento no Amazonas Legal começou em 2004, o desmatamento reduziu 76%, segundo este estudo.

"Estes novos dados mostram que o Brasil está realizando ações muito práticas e efetivas", afirmou em entrevista coletiva o ministro brasileiro de Meio Ambiente, Sarney Filho.

Segundo sua opinião, "o Brasil está reduzindo o desmatamento e por sua vez está construindo uma economia verde no Amazonas", mas não pode realizar esta tarefa sozinho.

Neste contexto, anunciou dois acordos de cooperação financeira com países europeus para contribuir para melhorar a preservação do meio ambiente no seu território.

Assim, o Reino Unido assinou um acordo para fornecer até 62 milhões de libras esterlinas (US$ 81 milhões) para dois programas florestais e a Alemanha se comprometeu a fornecer cerca de 61 milhões de euros (US$ 71 milhões) para o Fundo o Amazonas e um programa florestal.

EFE

Pernambuco
TCE realiza auditoria no sistema prisional de Pernambuco
Equipe de técnicos do TCE apresentou nessa segunda-feira (13) ao conselheiro Marcos Loreto o relatório preliminar de uma Auditoria Operacional que está sendo realizada no sistema prisional do Estado de Pernambuco. Ela se encontra em fase de instrução e aguarda apenas os comentários do Governo do Estado para ser concluída. Loreto é o relator do processo e deverá colocá-lo em pauta para julgamento ainda este ano.

Esta modalidade de Auditoria não prevê punição para gestores. Ela faz um diagnóstico sobre o órgão auditado, culminando com recomendações e posterior monitoramento daquilo que foi recomendado. A Auditoria foi realizada em 10 das 22 unidades do sistema prisional de Pernambuco com o objetivo de avaliar a atuação do poder público nos presídios estaduais. Foram avaliados a infraestrutura dos presídios, a disponibilidade de pessoal para o atendimento aos apenados e a política desenvolvida pelo Estado no sentido de ressocializá-los.

Entrevistas - Para isto, a equipe entrevistou membros do Poder Judiciário, do Ministério Público Estadual, da Defensoria Pública, da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, da Secretaria Executiva de Ressocialização e do Sindicato dos Agentes Penitenciários, além de representantes de ONGs, entre elas a Pastoral Carcerária.

Foram visitados, dentre outros estabelecimentos, o Presídio Rorinildo da Rocha Leão (Palmares), o Presídio de Tacaimbó, a Penitenciária Barreto Campelo, a Penitenciária Agro-Industrial São João (Itamaracá), o Presídio de Igarassu, o Cotel e a Colônia Penal Feminina.

Achados – Os principais “achados de auditoria” foram a precariedade na infraestrutura dos presídios, a superlotação em todos eles, salvo no de Tacaimbó, que ainda não está 100% concluído, o baixo percentual de presos trabalhando no sistema prisional e a convivência num mesmo local de presos provisórios e presos condenados. Por outro lado, a equipe identificou também “boas práticas” no sistema prisional pernambucano, a exemplo da adoção de um modelo de gestão baseado em diagnóstico e acompanhamento das unidades prisionais, monitoramento de presos por tornozeleiras eletrônicas e bibliotecas móveis para estimular a leitura. O relatório preliminar já foi apresentado aos gestores da Secretaria de Justiça Direitos Humanos, cujos comentários serão incorporados ao processo para embasar o voto do conselheiro relator.

Recomendações - Os técnicos sugerem no relatório que o Governo do Estado, dentre outras coisas, promova uma campanha de conscientização junto às empresas no sentido de demonstrar-lhes as vantagens da contratação de mão de obra carcerária. A contratante fica dispensada das obrigações trabalhistas e pagará ao preso tão somente três quartos do salário mínimo.

De acordo com João Robalinho, gerente responsável pela realização da auditoria, “dentro das limitações financeiras em que se encontram, os gestores da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos demonstraram interesse em acatar as recomendações do Tribunal”.

O conselheiro Marcos Loreto, ao final da explanação, elogiou a qualidade técnica do relatório, que sintetiza por meio de gráficos e fotografias a realidade do sistema prisional de Pernambuco, dizendo que ele será importante para auxiliar o Governo do Estado na definição e implementação de políticas públicas para este setor.

Fonte: TCE-PE.

São Lourenço da Mata
Notícias da prefeitura
















Contatos na rede
Olavo de Carvalho
Uma vez afrouxadas porém as demandas da autoconsciência, a imaginação torna-se a serva prestativa do interesse orgânico imediato, produzindo tantas ficções quantas forem necessárias para conservar o indivíduo num estado de profunda sonolência moral, no qual ele não tenha de responder pelos seus atos.
(Jardim das Aflições, página 49)

Sugestão de vídeo


Sugestão de música


Uma canção, se na construção é harmônica, com letra acertada e pensamento no Alto, cumpre uma missão além do comum. Espiritual. 
14/11/2017
Mundo
Sobe para 530 o número de mortos após terremoto no Irã
Pelo menos 530 pessoas morreram e outras 7.800 ficaram feridas no terremoto de 7,3 graus na escala Richter que abalou no domingo passado o oeste do Irã, segundo os últimos números oficiais divulgados nesta terça-feira.

Estes novos dados representam um aumento considerável no número de vítimas mortais causadas pelo terremoto na província de Kermanshah, na fronteira com o Iraque, cujo balanço ontem era de 430.

O número de vítimas tem aumentado com a passagem das horas e com o avanço das tarefas de retirada de escombros das cerca de 30.000 casas destruídas.

O governo iraniano decretou luto nacional nesta terça-feira para honrar às vítimas do terremoto, o mais grave registrado no Irã desde 2003, quando 31.000 pessoas morreram.

As autoridades mobilizaram todos os corpos de segurança, incluindo o exército e os Guardiões da Revolução, para acelerar os trabalhos de resgate e ajudar na entrega de ajuda.

No entanto, as dezenas de milhares de afetados, realocados em barracas de campanha, se queixam que as ajudas não são suficientes.

EFE


Brasil
Economistas dizem que eleições são decisivas para recuperação do Brasil
Os economistas chefes dos dois maiores bancos privados do Brasil concordaram neste domingo em que a consolidação da recuperação do Brasil depende do resultado das eleições de 2018, pois para crescer de maneira sustentada é necessário manter o rumo atual da política econômica e avançar nas reformas.

Em declarações à Agência Efe em Miami, Mario Mesquita, economista-chefe de Itaú Unibanco, se mostrou "moderadamente otimista" sobre as perspectivas da economia brasileira, enquanto Fernando Honorato Barbosa, diretor e economista-chefe do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos de Bradesco, disse ser "construtivo".

Ambos falaram assim, separadamente, depois de participar de uma apresentação especial sobre as perspectivas econômicas do Brasil para 2018, na véspera da abertura oficial da Assembleia Geral da Federação Latino-Americana de Bancos (Felaban).

Para o representante do Itaú Unibanco, "número um" dos bancos privados no Brasil, o "pior cenário possível é que o vencedor das eleições de outubro de 2018 faça uma mudança de políticas econômicas que represente uma volta ao populismo".

Mesquita considerou que as políticas populistas dos governos anteriores ao atual de Michael Temer contribuíram "muitíssimo" para que o Brasil experimentasse uma grave recessão em vez da desaceleração que era prevista.

Apesar disso, ele reconheceu não saber se o povo brasileiro é consciente disso, daí a incerteza que segundo sua opinião existe com o resultado das eleições.

Um ponto que vai ser muito a favor dos candidatos que apoiem manter a política econômica é a "surpresa positiva" da redução do desemprego, que, segundo disse, no final de 2018 pode ter caído para 11,5% ou 11% da população ativa.

O representante do Bradesco, o segundo maior banco privado do Brasil, disse que visto que os brasileiros irão às urnas notando uma melhoria na sua situação, as propostas dos candidatos em matéria de economia não vão se afastar muito da política atual, que "está funcionando e vai continuar dando ainda mais resultados".

"Apesar disso, hoje em dia é muito difícil dizer quem vai ganhar", reconheceu Barbosa.

Se vencer o PT - dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e que esteve envolvido em grandes escândalos de corrupção -, a "grande questão" para Barbosa é que "o PT é quem estaria no poder".

Também é importante para que o Brasil cresça de maneira sustentada que se continue avançando com as reformas, especialmente a da Previdência, essencial para melhorar as contas públicas.

"Se não formos capazes de resolver isto, não ficaremos em boa situação: ou teremos inflação alta ou impostos elevados", acrescentou o economista do Bradesco.

Seu colega do Itaú Unibanco afirmou que a reforma da Previdência é tão "impopular quanto necessária" e que o ideal é aprová-la o mais rápido possível, pois a população ativa do Brasil vai deixar de crescer em cerca de 15 anos e, enquanto isso, o número de aposentados vai continuar aumentando.

Atualmente, disse, o sistema de Previdência tem um déficit médio anual por pensionista de R$ 8.500 que devem sair dos cofres do Estado.

No setor público é onde o problema é maior pois o déficit é de R$ 72.500 por pensionista.

De acordo com Mesquita, é necessário impor um tempo mínimo para a aposentadoria (atualmente não há prazos) e acabar com os privilégios dos funcionários públicos em matéria de pensões.

As regras devem ser as mesmas para todos os trabalhadores, afirmou Mesquita, que considera igualmente importante abrir a economia do Brasil, que, segundo sua opinião, esta fechada no comercial devido a interesses dos setores industriais e agrícolas.

"Numa economia fechada, a produtividade cresce mais lentamente e as transferências tecnológicas também", disse Mesquita.

Barbosa afirmou, por sua vez, que o Brasil precisa crescer em bases sustentáveis, a 3% ou 3,5%, algo que "não é impossível" e é vital para a sustentabilidade fiscal.

Em 2018 a economia do Brasil crescerá 2,8% e em 2019 pode conseguir 3,5%, segundo Barbosa.

Mesquita apontou para um crescimento de 3%, com uma inflação da ordem de 3,3% e uma taxa de juros que cairá em fevereiro para 6,5%.

A 51ª Felaban acontece nesta segunda e terça-feira em um hotel de Miami, com a participação de mais de 2.000 diretores de 54 países.

EFE



Pernambuco
Presos na Operação Torrentes são soltos após cinco dias
Treze pessoas que estavam em prisão temporária no âmbito da Operação Torrentes foram liberadas nesta terça-feira (14), cinco dias após o cumprimento dos mandados pela Polícia Federal. O Ministério Público Federal (MPF) chegou a pedir à 36ª Vara Federal a prorrogação das prisões, mas a juíza Carolina Souza Malta negou.

A ação investiga supostas fraudes em contratos de assistência às vítimas das enchentes na Mata Sul pernambucana em 2010 e 2017, com foco na Secretaria da Casa Militar. A apuração começou a partir de um relatório da Controladoria Geral da União (CGU) em 2016 apontando irregularidades como superfaturamento em 15 licitações entre 2010 e 2015.

Deixaram a Academia Militar, em Paudalho, os coronéis Fábio de Alcântara Rosendo, secretário-executivo de Defesa Civil, e Roberto Gomes de Melo Filho, que era coordenador administrativo da Casa Militar em 2010. A quebra dos registros telefônicos de Melo Filho, hoje gerente geral de Esportes e Lazer no governo Paulo Câmara, levou a Polícia Federal a um elo com o PSB.

Acabou ainda a prisão domiciliar do tentente-coronel Laurinaldo Félix do Nascimento, coordenador administrativo da secretaria. Ele estava usando tornozeleira eletrônica porque estava em tratamento médico.

O coronel Waldemir José Vasconcelos de Araújo, secretário-executivo de Defesa Civil em 2010, já havia conseguido o habeas corpus no último sábado (11).

Na decisão, a juíza cita a existência, segundo o MPF, de três núcleos no suposto esquema.

Além do militar, haveria dois empresariais. O maior seria o formado pelas empresas FJW-RADAR-DTI, em que tiveram liberdade do Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel) e da Colônia Penal Feminina do Recife: Antonio Trajano da Rocha Neto, Heverton Soares da Silva, Ítalo Henrique Silva Jaques, João Henrique dos Santos, Ricardo Henrique Reis dos Santos e Taciana Santos Costa.

O dono da FJW, Ricardo José de Padilha Carício, já havia ficado preso por duas semanas entre setembro e outubro, por causa da Operação Mata Norte, em que a sua empresa também é investigada, e voltou a ser preso no Cotel desta vez, mas também foi solto nesta terça-feira. Rafaela Carrazzone da Cruz Gouveia Padilha, mulher dele, também teve a prorrogação da prisão temporária negada e deixou a Colônia Penal Feminina do Recife.

Do suposto núcleo da T&R-Megabag, Roseane Santos de Andrade e Antonio Manoel de Andrade Júnior também saíram da prisão.

Apesar de ter negado a prorrogação da prisão, a magistrada, pediu que fosse enviado ofício à 13ª Vara Federal pedindo o compartilhamento de provas da Operação Mata Norte, que apura supostas fraudes na compra de merenda escolar no município de Lagoa do Carro e tem como alvos as mesmas empresas.

Fonte: Blog de Jamildo.



São Lourenço da Mata
Notícias da Prefeitura
Secretária de Educação se reúne com gestores do município

Para discutir os direcionamentos da gestão educativa, a Prefeitura de São Lourenço da Mata, por meio da Secretaria de Educação, reuniu, nes
sa segunda-feira (13), na Escola Ministro Apolônio Sales, em Chã da Tábua, 40 gestores da Rede Municipal de Ensino, O encontro contou com a participação dos secretários Silvana Alves (Educação), Fabio Júnior (Governo) e Bruno Galvão (Comunicação).

O diretor da unidade de ensino, Josué Pereira, afirmou que a reunião trará benefícios para a comunidade escolar. “Tivemos uma oportunidade de nos unir para debater sobre as práticas didáticas utilizadas na educação, tendo a chance de contribuir para melhorias nas atividades pedagógicas do município”, disse o diretor Josué.

Para a secretária de Educação Silvana Alves, o encontro cumpriu seu objetivo de ajustar e alinhar os pontos dos programas escolares para o ano letivo. “A reunião faz parte de uma sequência de encontros planejados para os profissionais da área educacional. A partir de agora vamos trabalhar o melhoramento dos programas escolares e preparar os gestores para uma atuação mais efetiva na qualidade da educação”, falou a secretária.



Contatos nas redes
Via Ana Caroline Campagnolo
A representação do corpo com as roupas que o cobrem é correspondida, na arte ocidental, por uma representação recíproca das roupas no corpo. Mas isso tem se perdido, as roupas têm perdido sua função. Mas a função não se perdeu: saiu das roupas e foi para o corpo. Através de levantamento de peso, banho de sol e dieta, a pessoa moderna tenta expressar seu "gênero" no corpo sem a mediação das roupas.

Vamos simplesmente apontar a enorme perda de liberdade implicada quando a encarnação sexual precisa ser atingida por meios dolorosos. Quão mais leve seria vestir-se do gênero ao vestir-se com roupas.

A distinção entre homem e mulher é uma distinção de esfera, de atividade, de papel e de respostas; distinção de interno e externo, público e privado, passivo e ativo e -- mesmo para Hegel -- subjetivo e objetivo. Nós podemos lutar contra essas distinções; podemos querer remodelá-las, ou mesmo destruí-las completamente. Mas elas existem.

Roger Scruton, Desejo Sexual: uma investigação filosófica. pp. 366-367



Sugestão de vídeo


Sugestão de música
A imprensa tem como função investigar eventos que seriam desconhecidos do grande público, traduzir situações complexas cujo sentido a população não capta e apresentar fatos de interesse geral. Quando se furta a tudo isso para fazer com que seus próprios interesses e sua própria torcida prevaleçam sobre os fatos, e para que suas opiniões sejam as únicas representadas no debate público, relegando todo o restante à pecha de "preconceito" ou de alguma outra bobagem do tipo, ela tenta omitir a verdade, direcionando toda a atenção para um lado, como um prestidigitador, e manipulando sociedades inteiras, como um engenheiro social.

Essa situação precisa mudar e isso só irá ocorrer quando os jornalistas começarem a ser responsabilizados pelo trabalho que fazem. Afinal, não há nada mais natural do que responsabilizar um profissional pelo mau desempenho de suas funções.

Se um encanador é incapaz de resolver um vazamento, procuramos outro encanador. Se um alfaiate não consegue fazer os ajustes necessários em um terno, contratamos outro alfaiate. Se um dentista se mostra incapaz de diagnosticar uma dor de dente, procuramos uma segunda opinião.

Por que, então, deveríamos agir de outra maneira em relação a quem é pago para nos informar? Ou começamos a tratar os jornalistas como tratamos todos os outros profissionais ou vamos continuar recebendo pregação ideológica e desinformação como se fossem informação e opinião especializada.


A imprensa tem cmo função investigar eventos que seriam desconhecidos do grande público, traduzir situações complexas cujo sentido a população não capta e apresentar fatos de interesse geral. Quando se furta a tudo isso para fazer com que seus próprios interesses e sua própria torcida prevaleçam sobre os fatos, e para que suas opiniões sejam as únicas representadas no debate público, relegando todo o restante à pecha de "preconceito" ou de alguma outra bobagem do tipo, ela tenta omitir a verdade, direcionando toda a atenção para um lado, como um prestidigitador, e manipulando sociedades inteiras, como um engenheiro social.

Essa situação precisa mudar e isso só irá ocorrer quando os jornalistas começarem a ser responsabilizados pelo trabalho que fazem. Afinal, não há nada mais natural do que responsabilizar um profissional pelo mau desempenho de suas funções.

Se um encanador é incapaz de resolver um vazamento, procuramos outro encanador. Se um alfaiate não consegue fazer os ajustes necessários em um terno, contratamos outro alfaiate. Se um dentista se mostra incapaz de diagnosticar uma dor de dente, procuramos uma segunda opinião.

Por que, então, deveríamos agir de outra maneira em relação a quem é pago para nos informar? Ou começamos a tratar os jornalistas como tratamos todos os outros profissionais ou vamos continuar recebendo pregação ideológica e desinformação como se fossem informação e opinião especializada.


Filipe G Martins.